Um Ajuste antes do Final: Gangsters, Irmãos Coen e a Sociologia Econômica

Posted on 5 de Outubro de 2011 por

0


A sociologia econômica já se defrontou, aqui e acolá, com um tipo de “organização empresarial” de intenso interesse: o crime. A imagem do mundo para lá da  linha dos gangsters, ladrões e assassinos cativa. O cinema sempre foi alvo desta fascinação e, decerto, algumas de suas pérolas são retratos interessantes deste “campo”, com suas relações de força, neste caso, sempre intensamente explícitas. Basta pensar em O Poderoso Chefão e sabe-se do que se está falando.

Um de meus filmes de gangsters favoritos é Ajuste Final (Miller’s Crossing, 1990), dos Irmãos Coen. Com um enredo de traições, conspirações e mortes que parece mais saído da renascença italiana, Miller’s Crossing conta a história da forma hábil através da qual um integrante da mob irlandesa busca contatos com a máfia italiana como forma de tirar proveito de um embate de poder entre duas facções do crime. A mistura dos dois guetos, auxiliado pelo carisma de Gabriel Byrne, Albert Finney e John Turturo, tem um resultado fenomenal.

A mistura da força com astúcia, a lógica de administração das relações de poder, a “politização” intrínseca à organização de certo mercado, que certamente faz o “campo organizacional” presentes nas “transformações no poder corporativo” de Fligstein parecer conversa de criança: tudo em Miller’s Crossing faz pensar. O filme é uma obra-prima da dupla, o quarto filme de ambos, num ajuste de contas com a história do cinema bem antes de sequer se sonhar do final que a carreia dos diretores-produtores iria ter. Fim que, felizmente, ainda não chegou.

Posted in: Vi este filme